Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Fusos horários

Mäyjo, 04.12.13

Observa a figura e responde às questões que se seguem.

 

 

                                                             Os fusos horários

 

1- Porque é que a hora não é igual em todo mundo?

2- Qual é o sentido do movimento de rotação da Terra?

3- O que são os fusos horários?

4- Porque se criaram os fusos horários?

5- Qual é a referência para marcar as horas?

6- Se considerarmos 2 lugares, com longitude diferente, onde é mais cedo?

7- Se formos de Lisboa para Moscovo, o que fazemos ao relógio?

8- Onde é mais cedo, em Lisboa ou em LA?

9- O relógio deve ser adiantado ou atrasado se formos para o Rio de Janeiro?

9.1- Justifica a resposta.

 

10- Comenta os textos que se seguem, atendendo às consequências dos fusos horários.

 

O Jet-Lag

Ataca os passageiros, deixando-os à beira de um ataque de mau feitio durante vários dias, depois de um voo de longo curso: é a fadiga, a fraqueza, o sono e a irritabilidade.

Alguns especialistas em stress referem que a adaptação a um novo fuso horário demora entre 5 e 15 dias.

O que se deve, então, fazer? Durante o voo, é aconselhável relaxar, ouvir música ou ver filmes. Depois, quando chegar, deve evitar o álcool e os doces. Se for pela manhã, não durma, vá a um museu, passeie, faça compras.

Executive Digest

 

Farra a dobrar

Sherry Sacino, da Florida, está tão excitada com o ano 2000 que planeia celebrar a sua chegada não uma vez só, mas duas. Apercebeu-se de que, se atravessarmos a linha internacional de mudança de data, podemos ser simultaneamente os primeiros e os últimos a celebrar o Ano Novo. Por cerca de 5000 dólares, a sua companhia aérea oferece aos participantes a oportunidade de celebrar a entrada no novo ano nas Fiji e fazerem-no de novo, 24horas mais tarde, na Samoa Ocidental.

Selecções do Reader's Digest, Dezembro 95

Seattle pode deslizar para a água num próximo terramoto

Mäyjo, 04.12.13

Seattle pode deslizar para a água num próximo terramoto

 

Quando se regista um sismo, é fácil concentrarmo-nos no grande dano estrutural que resulta directamente do abalo. Mas o risco secundário de deslizamentos de terras pode ser igualmente problemático. Com todas as suas colinas, a cidade de Seattle, nos Estados Unidos, enfrenta enormes riscos neste aspecto – um novo estudo da Universidade de Washington avança que há mais de 8.000 edifícios em zonas de deslizamento de terras.

Kate Allstadt, estudante de doutoramento e sismóloga na Pacific Northwest Seismic Network, é co-autora deste estudo. Envolveu-se na investigação depois de se mudar para a cidade e perceber a enorme quantidade de declives íngremes que tem – a cidade fica em cima da Falha de Seattle, que se crê ter sido responsável por um terramoto de magnitude 7,5 em 900 d.C.

“Eu pensei no que aconteceria a estas encostas se houvesse um sismo nesta falha ou nas suas proximidades”, diz ela. “Ninguém está realmente a estudar de forma quantitativa quantos deslizamentos ocorreriam. Eu pensei que seria importante, porque precisamos de nos preparar.”

O sismo do ano 900 foi de tal dimensão que causou um tsunami mortal e fez cair grandes extensões de floresta, ainda hoje submersa, no Lake Washington. Hoje em dia, as encostas em torno da água são densamente povoadas, pelo que o impacto de um fenómeno semelhante seria catastrófico.

Usando simulações de computador e uma ferramenta de sismologia chamada Método de Newmark, Allstadt e os seus colegas John Vidale e Art Frankel criaram vários mapas que mostram as zonas onde a ameaça é maior.

Existem alguns aspectos que poderiam minimizar ou maximizar os deslizamentos. Se um terramoto ocorrer durante a altura molhada do ano, como no início da Primavera, o solo pode estar húmido e muito mais propício a deslizamentos de terra catastróficos. A intensidade do sismo, obviamente, também interessa.

Infelizmente é difícil medir os padrões de actividade sísmica – os terramotos são difíceis de prever e a história humana de Seattle não remonta a tão longe como a de muitos outros países propensos a sismos, como o Japão.

É, por isso, fundamental começar a preparar a cidade para esta possibilidade, defende Allstadt – descobrir as micro regiões mais vulneráveis, planear respostas rápidas dentro e fora dessas zonas, prever que saneamento básico e infra-estrutura eléctrica poderia ser implementado, educar os compradores de casas para os riscos de se viver nestas encostas. “Pode ser agora ou dentro de alguns milhares de anos”, diz a investigadora. “Nós simplesmente não sabemos.”

 

in: Green Savers